Estrela Pickups | Azul Motors

Impressões: Porsche Cayenne, tecnologia e força

Não parece, mas o modelo 2018 é muito superior à geração anterior

 

Aos quinze anos e 770.000 unidades vendidas desde o nascimento, em 2002, o Cayenne chega à sua terceira geração. As mudanças mais facilmente notadas remetem ao 911, o cupê que é a alma da Porsche.

No entanto, o novo conteúdo tecnológico dá uma ideia mais aproximada do quão acentuado foi o avanço. Duvida?

A Porsche apostou alto com o Cayenne. “Como pode uma marca que fez história com seus esportivos querendo vender um jipão?”, se perguntavam fãs e detratores da Porsche. Hoje, Cayenne e Macan são os modelos mais comercializados da marca alemã ao redor do planeta.

Mais comprido (em 6,3 cm), mais largo (2,3 cm) e mais baixo (apenas 1 cm), o novo Cayenne tem a traseira alargada, o que reforçou ainda mais a impressão de força. As lanternas, bem mais estreitas e conectadas por uma régua com a inscrição Porsche, deixaram a tampa traseira mais refinada – e, como já dito, remetem ao 911.

Uma segunda régua, na cor do carro, logo acima do espaço dedicado à placa, abriga o nome do modelo. No perfil, os para-lamas seguem musculosos, dando outra pitada de 911 ao SUV.

A área envidraçada tem contorno muito parecido com o da geração anterior, mas agora o teto tem uma queda mais suave acima do banco traseiro e porta-malas.

Dependendo da versão – o test-drive foi feito com um Cayenne S –, o novo SUV pode vir equipado, pela primeira vez, com sistema de esterçamento das rodas traseiras.

Exclusividade da versão topo de linha, o aerofólio ativo pode tanto auxiliar o SUV a acelerar, aplicando downforce na traseira (com inclinação entre 12,6 e 20 graus, dependendo da velocidade), quanto a frear, criando o que a Porsche chama de Airbrake, quando se posiciona a 28,2 graus, aumentando o arrasto aerodinâmico.

O arsenal tecnológico é composto ainda pelo PDCC, um sistema com atuadores elétricos nas barras estabilizadoras que, de acordo com a Porsche, é rápido a ponto de anular acelerações laterais de até 0,8 g.

De série no Cayenne Turbo, a suspensão pneumática também evoluiu.

Antes com quatro bolsas de ar com uma única câmara, agora elas trazem três compartimentos independentes em cada uma, o que permitiu um aumento de 40% do volume de ar.

Na prática, isso se reflete num espectro de atuação amplo (a altura pode variar entre 162 mm e 245 mm) e níveis de esportividade ou conforto acentuados.

Tanta tecnologia assim não seria possível com um sistema elétrico convencional, de 12 volts. Eis a razão de a Porsche ter dado ao Cayenne uma rede elétrica muito mais potente, de 48 volts.

O motor do Cayenne S, um V6 biturbo 2.9 com 440 cv, ganhou melhorias no sistema de refrigeração, gestão e na configuração geral. Com isso, a potência específica ganhou um incremento de 30%, saltando de 117 cv por litro para 152 cv/l. A transmissão segue a mesma: uma caixa automática com conversor de torque e oito marchas.

Ao volante, a tradução prática da aplicação de tanta tecnologia. Os efeitos do eixo traseiro direcional parecem fazer o SUV encolher, tamanha a competência no contorno de curvas e nas manobras.

Com a barra estabilizadora é igual. Nas dramáticas curvas da ilha de Creta, na Grécia, em vias cuja largura mal acomoda dois Cayenne, o SUV funcionou como se estivesse sobre trilhos.

E, se você se empolgar demais, poderá contar com freios especiais (outro item que estreia  entre os opcionais da linha 2018), com discos cobertos com uma película de carboneto de tungstênio, facilmente identificados pelo alto brilho dos discos e pelas pinças pintadas de branco.

No interior, além do destaque às telas (no painel e no quadro de instrumentos) e ao console, que eliminou quase todos os botões físicos, o Cayenne segue o mesmo. Ou seja, com uma qualidade de acabamento e materiais raros de se ver por aí.